​O Suicídio

Neste mês de setembro voltamos nossa atenção para o suicídio, um problema existencial complexo em suas causas e em seu tratamento.

O Suicídio

Neste mês de setembro voltamos nossa atenção para o suicídio, um problema existencial complexo em suas causas e em seu tratamento. O número de suicídios no Brasil cresceu em média 7% nos últimos anos e é mais predominante entres os homens, segundo dados do Ministério de Saúde. No senso comum, infelizmente, o suicídio ainda é tratado corriqueiramente como “falta de fé” ou “tentativa de chamar atenção”. Quem tenta ou tem pensamentos suicidas é julgado até mesmo pelos familiares, que desconhecem suas angústias e inquietações. Como fenômeno social é na individualidade de cada paciente que os profissionais de saúde precisam se debruçar, e cabe ao Estado expandir as redes de apoio, como os Centros de Atenção Psicossocial (Caps), que comprovadamente conseguem reduzir os índices de suicídio e estão presentes em menos de 50% dos municípios brasileiros.

Sintomas

O primeiro sintoma do suicídio é silencioso e imperceptível, o pensamento suicida. Porém, o paciente com ideação vai dando sinais e o conhecimento do senso comum sobre o tema pode evitar as tentativas de suicídio. As frases de efeito como “não quero mais viver” ou “se eu morrer ninguém se importará” costumam ser o primeiro pedido de socorro, mas muitas vezes negligenciadas pelos familiares. Além disso, a ideação suicida é sempre comorbidade de outros transtornos psiquiátricos, principalmente a depressão. Esteja atento a mudanças drásticas de comportamento e humor, abandono de hobbies e atividades antes prazerosas, ou o uso excessivo de álcool e outras drogas. A melhor forma de ajuda é sempre o apoio e a escuta livre de julgamento, ouça mais do que fale, essas pessoas precisam saber que tem com quem contar.

Suicídio na Adolescência

O suicídio e a sua relação com a juventude não é um tema novo. Já no século XIII Goethe dá início ao movimento romancista com seu livro “Os sofrimentos do jovem Werther”, que inspirou diversos jovens à prática do suicídio. Recentemente o Brasil se viu diante de mais um boom de jovens se autoflagelando ou tentando suicídio com o Desafio da Baleia Azul ou inspirados na série americana 13 Reasons Why, por exemplo. Mas afinal, por que tantos jovens cometem suicídio? Assim como os adultos, os adolescentes estão sendo duramente acometidos pela depressão e transtornos de ansiedade. Porém, existe um agravante: suas personalidades ainda estão sendo formadas e a adolescência é um lugar de autodescobrimento e afirmação no mundo, estando esse, por sua vez, cada dia mais caótico, o que torna esses jovens mais vulneráveis. As drogas e as redes sociais também têm contribuído significativamente, assim como o bullying e a criação individualista e distanciada dos pais diante do problema dos filhos. O mais perigoso nas tentativas de suicídio dos jovens está em achar que os sinais de alerta que eles dão são rebeldia ou fruto dos hormônios da idade.

A Equilíbrio Apoia essa Causa

Entendemos que o suicídio é uma questão de saúde que demanda apoio e engajamento de toda a sociedade. As empresas também podem ser canais de conversa e funcionar como fonte de prevenção, afinal, passamos grande parte do nosso dia no ambiente de trabalho. Por isso nós da Equilíbrio Construtora apoiamos o Setembro Amarelo e promovemos ações junto as nossas equipes para prevenir o suicídio como: grupos semanais de oração e escuta, palestras na SIPAT voltadas para a importância de cuidarmos da nossa saúde mental e ações que proporcionem um ambiente de trabalho saudável. O suicídio acomete mais de 12.000 brasileiros por ano e a principal forma de combatê-lo é entendendo que a prevenção é possível e está sim ao nosso alcance!